Jenna Coleman: “Não vejo a autoestima como um destino ao qual você chega e permanece”
08.11.2021
postado por Thaíne
Jenna Coleman falou com exclusividade com a Grazia UK sobre cuidados com a pele, autoestima e sobre suas personagens interpretadas até agora.

Confira a tradução da entrevista:

Quando Jenna Coleman aparece na tela para nossa chamada de Zoom, ela está toda sorridente e se desculpando — sua conexão com a internet caiu e ela acabou de reaparecer. A atriz nascida em Blackpool acabou de ter sua primeira grande dose de fama na Netflix. The Serpent — uma série de oito partes centrada no serial killer francês Charles Sobhraj e sua parceira franco-canadense Marie-Andrée Leclerc — foi ao ar pela primeira vez na BBC1 em janeiro e se tornou um sucesso ainda maior quando foi disponibilizada para assinantes da Netflix em abril. Para aqueles que já assistiram The Serpent e estão à procura de outra dose de Coleman, alegrem-se. Jenna está de volta à televisão como a estrela da campanha de natal 2021 da Boots. Jenna também retornará à Netflix como Johanna Constantine na altamente aguardada série inspirada nos quadrinhos The Sandman, contracenando com Tom Sturridge. Jenna é obrigada a manter sigilo sobre este projeto, mas se o hype for qualquer indicação, vale a pena assistir. Jenna está mais do que feliz em me informar de tudo, de seus papéis anteriores a seus itens favoritos de beleza, no entanto, para que seus limpadores de janelas trabalhem do lado de fora — divertidamente, eles se instalam assim que a entrevista começa e permanecem conosco o tempo todo — começamos a conversar.

Sobre as mulheres que Jenna já interpretou até agora

Tenho uma estranha afinidade com todas as mulheres que interpretei. O tempo gasto interpretando-as é quase como o tempo gasto com essas mulheres para mim. Pensar em cada uma dessas mulheres agora parece muito com olhar para uma velha fotografia, elas se tornaram um instantâneo da minha vida. Elas representam onde eu estava morando, onde eu estava pessoalmente e o que estava acontecendo na minha vida quando eu as estava interpretando. Cada uma delas possui um fragmento de mim de certa forma.

O que atrai Jenna para os papéis que ela assume?

Sou atraída por personagens cuja psicologia é muito diferente da minha. Gosto quando tenho um problema para solucionar, algo para tentar colocar minha cabeça em volta e entender.

Sobre interpretar a rainha Victoria

Eu passei mais tempo interpretando Victoria do que qualquer outra personagem. Victoria da ITV foi exibida por três temporadas. A personagem cresceu e se desenvolveu com o tempo, ela sempre foi um papel realmente interessante para revisitar. Havia muito material para pesquisa também, ler seus diários significava que eu poderia chegar tão perto dela. Foi uma época muito divertida.

Sobre colocar-se no lugar de Marie-Andrée em The Serpent

Eu definitivamente senti uma grande pressão, eu estava retratando uma pessoa real com vítimas reais. Muitas pessoas que conheceram Marie-Andrée e Charles Sobhraj também visitaram o set. Foi uma sensação muito estranha, saber que essas pessoas estavam me vendo recriar suas memórias. O que costumo fazer é pesquisar o máximo possível. Leio artigos de jornais antigos, diários e assim por diante. Depois de fazer a maior parte da preparação, deixo tudo de lado e me concentro em honrar a história e o roteiro, sendo a mais verdadeira possível.

Sobre a mania por crimes reais

Há um grande apetite por crimes reais no momento e acho isso muito interessante. Não é algo que eu já tenha me interessado maciçamente, mas quando fui abordada pela primeira vez sobre The Serpent, quando vi as imagens e ouvi a história, fiquei completamente absorvida. É sombrio, sedutor e inebriante. Acho que as pessoas se envolvem em tentar entender, psicologicamente, como um humano pode fazer algo tão desumano, e esse é o gancho.

Sobre a importância de cabelo e maquiagem nas telas

Cabelo e maquiagem são sempre fatores muito importantes para mim. Acho que quem subestima o poder do cabelo e da maquiagem nessa arena é extremamente míope. Cabelo e maquiagem vão além do visual, como atriz, eles têm um grande impacto em como você se sente e se parece. Cabelo e maquiagem contribuem para essa experiência transformadora que o afasta de você mesmo e o faz sentir-se muito mais unida ao seu personagem. Eu estava assistindo Cruella numa outra noite e fiquei maravilhada com a estilização daquele filme, as criações de cabelo e maquiagem eram incríveis. Mesmo o menor detalhe de cabelo ou maquiagem pode mexer com algo em você como atriz.

Sobre se tornar Marie-Andrée em The Serpent

A Marie-Andrée de The Serpent é uma personagem tão complicada. Sua jornada e seu arco são tão interessantes. Ela está constantemente se esforçando para ser outra coisa ou outra pessoa e é estratégica sobre como tenta ser percebida. O que ela vestia nos disse muito sobre sua psicologia. Lembro-me de falar com o diretor do programa, Tom Shankland, sobre o figurino dela. Ele me disse que a imaginava obcecada pelas revistas Vogue francesas e tentando incansavelmente imitar o que via nas páginas. Era um look muito artesanal, mas por baixo dessas estampas, lenços e óculos escuros você tem essa pessoa incrivelmente insegura que não tem ideia de quem ela realmente é.

Acabamos vestindo Marie-Andrée como uma Brigitte Bardot de cabelos escuros. Queríamos que ela estivesse visível, mas sutilmente se escondendo atrás da moda, então há muito foco em grandes óculos escuros e aquela franja longa que muitas vezes cai sobre seus olhos. Conforme a série avança, ela começa a desmoronar e tornamos essa mudança visível em seu cabelo e maquiagem. Nós varremos a maquiagem dos olhos com água para deixá-los desgastados e sujos e seu cabelo ficou menos penteado. Havia muito para se trabalhar.

Sobre o seu herói da beleza de 30 libras

Normalmente gosto de um look de maquiagem bem natural. Usei o Secret Camouflage Concealer de Laura Mercier, 30 libras, em todos os trabalhos que fiz. Eu o uso tanto como corretivo quanto como base, não em todo lugar, apenas nas áreas que quero um pouco de cobertura. Eu o uso há cerca de sete a oito anos.

Sobre o seu perfume favorito

No momento Chanel Riviera Eau de Toilette 50ml, 73 libras, é meu perfume diário. É muito fresco e tem um cheiro um pouco masculino também, o que eu gosto. Eu uso muita maquiagem Chanel também. Em termos de sombra para olhos, tendo a me limitar a rosas e marrons.

Sobre o conteúdo do armário de banheiro dela

No que diz respeito aos cabelos, estou usando um shampoo e condicionador Josh Wood no momento, adoro os produtos de cabelo dele. Meus cuidados com a pele são compostos principalmente de Biologique Recherche – descobri essa marca um pouco antes de começar as filmagens de The Serpent, é incrível — e La Roche-Posay, que acho ótimo para peles sensíveis. Eu uso a La Roche Posay Tinted BB SPF50 +, 17,50 libras. Eu também uso as máscaras de olho Skyn Iceland. Eu fico com olheiras e meu rosto fica bastante inchado pela manhã, elas são ótimas para usar na área embaixo dos olhos.

Sobre memórias antigas de beleza

Todas as vésperas de Natal, minha mãe costumava passar aqueles rolos de esponja velhos no meu cabelo, aqueles em que você dorme com eles. Lembro que era uma ocasião tão especial. Eu acordaria com o cabelo mais cacheado. Depois, há memórias constrangedoras de experimentar com sombra azul e o cheiro de L’Oreal Paris Elnett sempre me leva direto de volta para a escola de dança e aula de balé.

Sobre autoestima

Isso é algo que oscila, para mim. Não vejo autoestima como um destino ao qual você chega e permanece. A autoestima é algo que é constantemente desafiado. Definitivamente, demorei muito para me sentir mais confortável em minha própria pele, meu próprio corpo, minhas opiniões e confiar em meus instintos. Estou tão impressionada com a Geração Z nesse respeito, parece que há tantas pessoas encontrando sua voz em uma idade tão jovem, o que é algo promissor para o futuro. Eu penso em mim mesmo em meus primeiros 20 anos e eu não estava nem perto dessa fase da vida, demorei muito mais tempo para chegar lá.

Sobre tradições de natal

Minha tradição de Natal favorita envolve minha mãe e eu embrulhando presentes juntas na véspera de Natal e bebendo Baileys. Normalmente estou com meus pais no Norte, mas, pela primeira vez na vida, posso realmente estar realizando um Natal em Londres este ano. Meus avós podem estar vindo, pessoal.