Jenna Coleman fala sobre o look de Johanna Constantine em The Sandman e como se preparou para interpretá-la
31.07.2022
postado por JCBR
Em conversa com o site KSiteTV durante a San Diego Comic Con, Jenna Coleman fala sobre sua personagem em The Sandman, quando leu pela primeira vez o roteiro da série, como foi trabalhar com Tom Sturridge que interpreta Morpheus, e muito mais. Confira:

Você conseguiu conhecer Neil Gaiman quando fez o episódio de Doctor Who com ele?
Sim. Neil estava lá na leitura de roteiro, ele estava lá no set… Eu encontrei Neil várias vezes ao longo dos anos.

Isso o ajudou a perceber que você era perfeita para Johanna Constantine, certo?
Eu acho. Foi divertido. Veio até mim muito codificado, o que era exatamente. Inicialmente, eu nem sabia que era Constantine. Mas o que eu conhecia era a personagem… o diálogo, a conversa, as brincadeiras… realmente saltou da página. Mas era tudo muito codificado e intrigante, como isso veio para mim.

Esta é provavelmente a versão mais original desse personagem que vimos na tela. Como você se preparou para o papel?
Muito aprendizado sobre fazer um exorcismo. Tive que aprender latim. Foi muito engraçado… Eu estava aprendendo francês na época para The Serpent e ao mesmo tempo em que aprendia latim para os exorcismos nisto o que é muito, muito diferente. Eu estava andando por Londres e fiquei tipo, ‘oh meu Deus, é insano! Estou andando por aí falando comigo mesma fazendo exorcismos enquanto estou fazendo minhas compras!’

Você pode falar sobre o look de Constantine?
Com [Constantine], nós realmente passamos por uma jornada de figurino. Fazemos como o casaco que John Constantine tem? Em algum ponto eu tinha um suspensório, e então Allan [Heinberg] em particular decidiu que essa iteração era a versão atualizada. Esta é Constantine, que subiu na hierarquia e agora é exorcista da rainha. Então queríamos ver os primeiros dias, e depois a versão mais montada, e então foi uma conversa sobre, você sabe, olhando para as outras versões, e eu senti que com isso em particular eu olhei para o Constantine de Keanu e esta versão em particular… ficou tão claro para mim o que fazer fora da página. Eu estava tipo ‘Eu quero pegar essa Johanna Constantine nesta forma e seguir em frente’. Então eu não voltei e assisti os outros Constantines, mas usei muito os quadrinhos.

Qual é a sua parte favorita da sua personagem?
Eu amo interpretá-la, porque ela é meio malvada, cínica… e é tudo sobre humor, e deflexão, e sua secura e sagacidade, mas por baixo disso é esse tipo de guerreira solitária realmente ferida. Eu acho que ter essas duas coisas se encontrando, e é sobre como desviar disso, e não deixar ninguém se aproximar. Eu sinto que há tanta profundidade para usar, e depois ter ela encontrando Sonho, e ter esse encontro de mentes desses dois personagens, onde, na verdade, o único lugar que ela geralmente se esconde e o que ela esconderia, estão nos seus sonhos, e ele a vê lá.

Ela também não se impressiona facilmente, eu não acho, e há uma espécie de respeito mútuo, mas uma espécie de batalha de egos e afinidade entre eles. Foi uma dinâmica muito interessante. Eu gosto do fato de que há um verdadeiro pragmatismo nela. Ela está cuidando de seus negócios diários, e acho que há um custo real para isso. Ter o dom é como uma bênção e uma maldição.

Você também está interpretando a avó dela?
Sim. Eu também estou interpretando Lady Johanna Constantine, que é sua ancestral no século 16. Ela é muito mais fria e calculista. É uma boa maneira de olhar para a personagem. Há um tipo real de frieza nela, enquanto você meio que vê o peso de toda a perda e morte em Johanna Constantine na contemporaneidade, e um coração muito maior, compaixão e humanidade. Enquanto isso acho que Lady Johanna é muito mais fria e astuta.

Quais foram alguns dos seus personagens favoritos de interpretar lado a lado?
Realmente, todas as minhas interações são com o Sonho, então, com Tom [Sturridge]. É bastante extraordinário trabalhar com ele. Mesmo ver a maneira como a mão dele se move, e tudo é muito lento. Ele está completamente presente, está ouvindo e está lá com você, mas também é como se estivesse em mil lugares ao mesmo tempo. Eu não sei como ele conseguiu isso, mas isso foi extraordinário para interpretar lado a lado.

Qual foi sua reação quando você viu isso com os efeitos visuais finalizados?
Uma das coisas especialmente para Neil Gaiman, e uma grande coisa sobre o show para mim, é que é um mundo visual tão único. Há muita coisa que eu não vi, então agora eu posso assistir muito do resto como fã também.