Arquivo de 'aidan turner'



Jenna Coleman e Aidan Turner fazem sua estreia em Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons
01.02.2023
postado por JCBR
Na noite de ontem (31), Jenna Coleman e Aidan Turner subiram ao palco do teatro londrino Harold Pinter para estrearem a peça Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons.

Escrita por Sam Steiner e dirigida por Josie Rourke, a peça tem sido bem recebida pela crítica especializada dando destaque às atuações de Coleman e Turner.

Confira as fotos da apresentação:

Após a estreia, o elenco e a produção da peça se reuniram para celebrarem a noite de abertura. Veja mais fotos clicando nas miniaturas abaixo:

Jenna Coleman e Aidan Turner divulgam Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons no This Morning
29.01.2023
postado por JCBR
Jenna Coleman em entrevista ao This Morning, falou sobre Wilderness, série que protagonizará ao lado de Oliver Jackson-Cohen, e, junto com Aidan Turner, discutiu sobre Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons e como ambos se relacionam com a plateia durante as apresentações. Segue abaixo as fotos dos atores no programa e a entrevista completa legendada:

Jenna Coleman e Aidan Turner falam sobre Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons ao The Guardian
28.01.2023
postado por JCBR
Com a estreia de Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons, Jenna Coleman e Aidan Turner concederam entrevista ao The Guardian e realizaram um ensaio fotográfico a fim de divulgar a peça que está em cartaz no teatro Harold Pinter. Confira abaixo scans da entrevista original e as fotos pelas lentes de Kate Peters:

‘Eu disse à minha avó: você não pode tocar no cabelo do Aidan!’ Jenna Coleman e Aidan Turner sobre amizade e sua nova peça ousada
Tendo estrelado alguns dos maiores programas de TV da Grã-Bretanha, a dupla está subindo ao palco para Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons, uma peça de dois protagonistas onde as palavras são estritamente racionadas. E eles não param de falar sobre isso.

“É isso”, diz Aidan Turner, passando a mão pela grande e vazia sala de ensaios. “Sem adereços, sem móveis. Nada para se esconder atrás”. Sentando-se em uma cadeira do outro lado da mesa, Jenna Coleman responde maliciosamente: “A menos que eu me esconda atrás de você”.

A dupla logo se apresentará na tenra peça de dois protagonistas de Sam Steiner, Lemons Lemons Lemons Lemon Lemons, uma peça que abriu caminho desde a periferia até o West End. “A principal coisa que ouvi sobre o original”, diz Coleman de forma conspiratória, inclinando-se para a frente sobre os cotovelos, “foi que eles tinham uma ótima química”.

“Ah”, Turner suspira, jogando as mãos para o alto, sorriso largo em seu rosto, “então estamos condenados”.

Lemons é uma exploração caleidoscópica de um relacionamento. Oliver e Bernadette são um músico e uma advogada que se conhecem em um cemitério de animais de estimação em Londres e se apaixonam facilmente. “Eles têm energias realmente diferentes”, diz Coleman. “Oliver é poético e apaixonado, e ela é mais pragmática e comedida”. A relação fica tensa quando uma nova lei é introduzida. Conhecida como “lei do silêncio”, ela decreta que todos no país se limitam a falar 140 palavras por dia. Depois de esgotar suas palavras, você fisicamente não pode dizer mais nada.

A lei muda radicalmente a forma como Oliver e Bernadette vivem e se comunicam, e as fissuras em seu relacionamento começam a aparecer. Eles voltam para casa todos os dias com um número diferente de palavras guardadas um para o outro. “Cento e três”, Oliver oferece, depois de ter guardado todos eles para ela. “Sete”, diz Bernadette, não tendo feito o mesmo. O diálogo deles se torna cada vez mais fragmentado enquanto eles tentam espremer tudo o que querem dizer com o mínimo de palavras possível e contam com gestos, até mesmo uma tentativa de aprender o Código Morse.

Após três semanas de ensaios, o riso entre os dois atores é rápido e fácil. Mais familiarizado com elencos maiores, Turner descreve a experiência como um exclusivo “esforço criativo íntimo”. Tendo começado a trabalhar no teatro Abbey de Dublin, ele alcançou a fama como o muito bajulado protagonista da Cornualha em Poldark, e recentemente apareceu como um psicólogo clínico arrepiante no terrível thriller da ITV, The Suspect. Começando com papéis de roubar a cena em Emmerdale, Coleman mais tarde interpretou Clara, companheira amada de Matt Smith e as iterações de Peter Capaldi do Doutor em Doctor Who. Mais recentemente, ela interpretou uma exploradora oculta na adaptação da Netflix da fantasia de Neil Gaiman, The Sandman. Eles são duas das maiores estrelas da TV britânica e irlandesa da última década, mas brincando na sala de ensaio, eles parecem velhos amigos, totalmente desprovidos da tensão da fama.

Uma história mais leve, em comparação com suas aparições mais recentes na TV, Lemons marca a primeira vez que os dois se apresentam juntos, embora já tenham se encontrado algumas vezes antes. “Minha avó conheceu você em Wimbledon”, Coleman lembra Turner. “Sentamos juntos para comer sanduíches entre os sets. Minha vó falava assim: ‘Olha o cabelo dele!’ Acho que ela foi mexer”. Coleman dá um tapa em um pulso imaginário. “‘Você não pode tocar no cabelo do Aidan!'” Eles parecem relaxados e confortáveis, conversando alegremente antes de mergulharmos em qualquer pergunta real. Quando Coleman lista as razões pelas quais ela disse sim para aceitar o papel, ela termina com “… e Aidan”. Ele balança a cabeça presunçosamente e ela revira os olhos.

Dirigida por Josie Rourke, ex-diretora artística do Donmar Warehouse e diretora de Mary Queen of Scots, filme indicado ao Bafta e ao Oscar, Lemons será exibido no teatro Harold Pinter antes de ir para Manchester e Brighton. A produção será esparsa e simples: apenas os dois atores e sua contagem limitada de palavras. “Quando você lê um roteiro agora”, diz Turner, “é tão fácil que seu primeiro pensamento seja: ‘Isso seria ótimo em seis partes na Netflix’. Você já está tentando evoluí-lo. Mas quando li Lemons, soube que isso era fundamentalmente teatro. É para isso que existe”.

Coleman descreve Lemons como um jogo de sudoku; ela foi atraída pelo desafio de tentar resolvê-lo. Saltando para frente e para trás no tempo, antes e depois da lei do silêncio, Lemons é composta por 102 fragmentos diferentes. “Esta é a nossa elipse”, diz Coleman, inclinando-se sobre o encosto de sua cadeira para apontar para um grande oval de dezenas de cartões coloridos no chão, a única indicação na sala de qualquer tipo de palco. “Foi assim que começamos”.

As cartas estão dispostas em um anel de arco-íris, rabiscadas com números e palavras. “São cenas que se desenrolam em ordem cronológica”, explica ela. Eles os codificaram por cores para que os tons correspondam à saúde do relacionamento de Oliver e Bernadette. “Adorável lilás é namoro, desabrochar azul é o começo”. Coleman aponta ainda mais ao redor do ringue. “Isso é nojinho amarelo”. E os adesivos? “É quando as coisas estão presentes”, diz ela, “ou quando optamos por não falar sobre algo”. Ou seja, a ex de Oliver e a questão dos bebês. “Você está conversando, mas na verdade a cena é sobre outra coisa”. Embora as ramificações políticas da lei do silêncio sejam únicas, muito do modo como afeta suas vidas pode parecer familiar. “É tão reflexivo dos relacionamentos de tantas pessoas”, diz Coleman.

A peça, que Coleman descreve como “cheia de humanidade e amor”, começou sua vida como uma colaboração entre alunos e ex-alunos da Universidade de Warwick. Depois de se tornar o assunto do festival nacional de teatro estudantil de 2015 e esgotar em três festivais consecutivos de Edimburgo, o roteiro passou a ser estudado em cursos de pós-graduação e apresentado em mais de uma dúzia de idiomas ao redor do mundo.

“Eu simplesmente amo o relacionamento deles”, diz Turner, “e ainda me faz rir muito”.

Coleman balança a cabeça. “Tem uma piada de falafel que sempre pega Aidan”.

Através das lentes da parceria de Oliver e Bernadette, Lemons considera o valor de cada palavra. “Fizemos exercícios em que contamos as palavras conforme as dizemos”, diz Coleman, “e é muito interessante o que isso faz com sua fisicalidade. Sem liberdade de expressão, muda um pouco quem você é”.

Com Rourke, eles brincaram com a ideia de gastar suas palavras como se cada uma fosse uma moeda e segurar uma braçada de adereços que você derruba a cada palavra, para sentir o impacto de cada um desaparecer. “Quando você está literalmente segurando a coisa enquanto ela diminui”, diz Turner, “isso faz com que você valorize a linguagem de uma maneira diferente”.

Levantando questões de censura e privilégio, o roteiro parece presciente. “Tem uma sensação ligeiramente distópica que reflete o período de lockdown”, diz Turner.

“Ambos fazem você fazer perguntas semelhantes”, sugere Coleman. “‘Estamos neste suspense para sempre? É este o mundo agora?'” Na peça, o casal adia certos tópicos de conversa – novamente, a ex de Oliver e a questão dos bebês – para quando eles esperam que a lei do silêncio seja suspensa, gradualmente percebendo que ela pode nunca ser removida. Correndo ao lado da política está a incerteza de saber se o relacionamento deles sobreviverá o suficiente para ver o resultado final.

Ao longo da peça, o casal desenvolve uma linguagem particular – “uma abreviação”, diz Coleman – e isso é algo que os dois atores desenvolveram rapidamente na intensidade da sala de ensaio.

“Você se pega pensando: ‘Se alguém ouvisse o que estamos falando'”, Turner ri, “‘isso soaria ridículo'”. “Quanto mais relacionamentos se desenvolvem, mais você sente pelo tom de voz de alguém o que eles querem dizer”, diz Turner. “Nem sempre é sobre o quanto você precisa falar ou as palavras que saem. Você se torna mais sintonizado um com o outro”.

Como dois dos artistas mais procurados do mundo, eles podem escolher seus projetos futuros. Mas nenhum dos dois parece tomar isso como certo. “Você sabe o que está fazendo?” Coleman pergunta a Turner. “Não sei o que estou fazendo!” Ele balança a cabeça enfaticamente. “Acho que é por isso que estamos sentados aqui, fazendo uma peça chamada Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons. É assustador, desafiador e aterrorizante, mas quando é ótimo, parece brilhante”. Ele sorri, brilhante e sério. “Acho que nunca quero chegar à posição em que sinto que sei o que estou fazendo. Se você fizer isso, eu acho, como uma pessoa criativa, você está em apuros. Você quer continuar sentindo medo”.

No final da peça, Steiner escreve uma cena que permite aos atores um momento de alívio selvagem. Em meio à crescente tensão, as palavras de um dia inteiro são alegremente jogadas fora com uma música. A intenção é que cada produção escolha uma música diferente, então qual será? “De jeito nenhum!” grita Turner, agitando os braços com entusiasmo. “De jeito nenhum eu vou contar!” Eles passaram um dia inteiro testando músicas, revela Coleman, como uma rodada extremamente intensa de karaokê.

“Eu tenho um alcance vocal muito limitado”, admite Turner, “mas Jenna tem uma ótima voz. Se o alcance estiver aqui” – ele estica os braços – “eu posso fazer isso”. Suas mãos quase se encontram, a poucos centímetros de distância. “A ideia por trás da música é que eles não cantam alto há muito tempo, então eles apenas gostam de gritar e berrar por um minuto antes de acabarem. Precisamos encontrar o tom certo para isso”.

Coleman acena com a cabeça sabiamente e faz uma pausa por um momento: “É Joseph e seu Technicolor Dreamcoat”. Ela sorri.

“Droga”, grita Turner. Coleman começa a cantarolar “vermelho e amarelo e verde” para ele, antes que ambos desistam das palavras e se rendam ao riso contagiante.

Jenna Coleman fala sobre sua infância e seus antigos trabalhos
22.01.2023
postado por JCBR
Em nova entrevista, Jenna Coleman relembra sua infância em Blackpool, fala sobre seus antigos trabalhos e mais. Confira as scans com a entrevista original e logo abaixo a tradução:

Jenna Coleman: ‘Tinha medo de me envolver em Doctor Who’
Ao chegar ao West End, a atriz revela como venceu a maldição de The Serpent –e por que sonha em colocar Blackpool na tela grande

“Você pode imaginar o que diria”, pergunta Jenna Coleman, “se o governo estivesse prestes a aplicar uma lei que significasse que você só poderia falar 140 palavras por dia?” Ela balança a cabeça e toma um gole de café revigorante. “Se você estivesse em um relacionamento, acho que poderia decidir colocar tudo para fora antes que a lei entrasse. Faça um exorcismo, cuspa todos os problemas e veja onde isso leva você.”

É isso o que acontece em Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons, uma peça de Sam Steiner que explora a resposta de um jovem casal a um mundo distópico no qual palavras são racionadas pelas “leis do silêncio”. Numa nova produção abrindo em West End esse mês, Coleman de 36 anos, mais conhecida por seus papéis na TV em Doctor Who, Victoria e The Serpent, estrela como a advogada cumpridora de regras Bernadette que conhece e se muda para a casa do músico rebelde Oliver (estrela de Poldark, Aidan Turner) quando as leis do silêncio se tornam cada vez mais duras.

“Obviamente esses tipos de leis seriam totalmente inaplicáveis”, admite a diretora da peça, Josie Rourke. “Portanto, ela pede que você jogue junto e considere como os relacionamentos sobrevivem em circunstâncias extremas. Não é uma peça pandêmica, mas vai ressoar com as pessoas que perceberam que as rachaduras em seus relacionamentos aumentaram durante o lockdown.”

Rourke observa que Coleman compartilha uma “clareza ponderada” com sua personagem, o que fica evidente quando encontro a atriz durante um café da manhã pré-ensaio. Há uma definição nítida para suas roupas em preto e branco e cabelo oxigenado (tingido para seu papel como uma “motociclista pixie punk” no seu próximo filme Jackdaw), e ela pesa suas respostas às minhas perguntas com cuidado.

“Eu sou meio tartaruga”, ela diz com um sorriso. “Eu saio da minha concha para trabalhar e depois gosto de entrar nela de volta. Vou para casa, fecho a porta, leio um livro.”

Nascida em Blackpool em 1986 e batizada com o nome da personagem de Priscilla Presley na novela americana Dallas, Coleman é filha de um carpinteiro e seu avô “trabalha no calçadão, comandando barracas de jogos e dardos, desde os anos 1960. Ele está na casa dos 80 anos agora e ainda tem um galpão cheio de ursinhos de pelúcia gigantes. Ele monta em sua bicicleta e vai lá todos os dias no verão.”

Coleman tem boas lembranças de sua infância à beira-mar passada “correndo pela fábrica de doces, correndo pelo calçadão”. Mas enquanto seu irmão mais velho Ben seguiu os passos de seu pai, tornando-se um marceneiro, Jenna era uma criança mais acadêmica que foi nomeada monitora-chefe de sua escola.

“Tenho um relacionamento complicado com Blackpool”, diz ela. “Crescendo, eu fazia minhas tarefas de sábado ciente de que outras pessoas vinham lá para essas experiências mais extremas. É como Glastonbury, de certa forma. As pessoas estão ali para se perderem, querendo uma espécie de obliteração.

“Alguém recentemente me deu um grande livro de fotos de despedidas de solteiro em Blackpool. Tem luz, purpurina, felicidade, penas! Então vem essa ressaca de tristeza. Há algo muito cinematográfico nisso e eu realmente quero fazer um filme sobre isso um dia…”

Ela se cala. “Mas eu precisava ser atriz e não sabia como fazer isso acontecer em Blackpool. Eu queria uma vida imprevisível. Eu estava procurando experiências diferentes. Eu queria contar outras histórias.”

Coleman ingressou em uma companhia de teatro local enquanto ainda estava na escola, ganhou um prêmio por sua atuação em uma produção que eles levaram para o Festival de Edimburgo e, em 2005, recusou uma vaga para estudar inglês na Universidade de York para assumir o papel de uma colegial solitária que se tornou a jornalista investigativa Jasmine Thomas na popular novela de TV, Emmerdale. Ela ficou chocada e emocionada quando os roteiristas do programa levaram sua personagem “tímido e moral” em um arco de quatro anos que terminou com ela espancando até a morte o namorado (interpretado por Paul McEwan) depois que ele tentou estuprá-la.

Coleman passou a interpretar a garota durona Lindsay James no drama escolar de longa duração Waterloo Road (2009), uma habitante East End de Londres faladora na minissérie de quatro partes de Julian Fellowes, Titanic (2012) e a irresponsável Lydia Wickham na adaptação da BBC de Jane Austen, de PD James, o spin-off Death Comes to Pemberley (2013).

Mas ela foi mais amada como Clara Oswald (interpretando três versões da personagem em diferentes épocas) para a sétima, oitava e nona temporadas de Doctor Who entre 2012 e 2015. Nunca tendo visto o show antes de fazer o teste, ela admite que estava “apavorada de me envolver até conhecer Matt [Smith, o Décimo Primeiro Doutor]. Então eu percebi: isso vai ser divertido! Foi uma grande aventura.”

Sua cena favorita veio no Especial de Natal de 2012 chamado The Snowmen, no qual ela interpretou uma garçonete vitoriana que subiu uma escada em espiral invisível para encontrar a Tardis estacionada nas nuvens. “Era como estar em um livro de histórias infantis”, lembra ela. “Havia algo tão Alice no País das Maravilhas ou Willy Wonka nisso. Subindo para um mundo de imaginação.”

Coleman acrescenta que Steven Moffat, que escreveu para a série entre 2005 e 2017, “tem a mente inventiva mais brilhante. Ele escreve cenas que são tão lindamente comoventes, sem nunca cair no sentimentalismo. Embora quando Peter Capaldi assumiu como o Décimo Segundo Doutor, eles tinham essas conversas intensas de ficção científica em um idioma que eu não entendia!”

Interpretar Clara deu a Coleman acesso ao estranho mundo das convenções de fãs de ficção científica, o que foi meio que uma brincadeira. “Whovians são uma comunidade real”, diz ela, “eles podem ser tão alegres.” Ela se lembra de um fã pedindo outro em casamento enquanto ela estava entre eles e espera que eles ainda estejam juntos. Os jovens Whovians frequentemente perguntavam para onde ela iria se tivesse uma máquina do tempo e ela costumava responder: “Egito Antigo, obviamente.” Mas hoje ela acha que pode optar por “ir a um grande show. Talvez eu vá ver o jovem Sinatra. Ou talvez algum soul. Curtis Mayfield, talvez?”

Em 2015 –o ano em que ela foi capa do The Sun em uma festa com o príncipe Harry, a quem ela mais tarde descreveu como “um amigo meu” –Coleman foi escalada para o papel principal do drama real da ITV, Victoria. Ela estava se aproximando dos 30 quando começou a filmar a série como a monarca de 18 anos. “Eu tenho cara de bebê”, ela concorda, antes de apontar que sua aparência jovem nem sempre funcionou a seu favor. “Existem papéis que eu deveria estar interpretando onde as pessoas pensariam: ‘você não pode fazer isso, você parece uma criança de 15 anos!'” Mas ela achou que habitar Victoria (ao lado de seu então parceiro fora da tela, Tom Hughes, como Albert) era uma “experiência realmente fascinante. Estamos tão acostumados a pensar nela como essa mulher de rosto severo em retratos. Tão quieta e sem graça. Mas eu realmente comecei a admirar o quão feroz, assumidamente opinativa e apaixonada ela era. Você pode ver isso em seus diários, onde ela tinha muito xerez misturado com o que quer que fosse e as palavras se derramavam na página. Ela nunca se curvou para caber no papel dela, ou se escondeu atrás dele. Ela se envolveu. Ela escrevia para a polícia sobre Jack, o Estripador, escrevia para o Elephant Man uma vez por ano. Se eles tivessem mídia social no século 19, ela estaria no Twitter o tempo todo!”

Então, em 2021, veio The Serpent, o drama policial em oito partes da BBC sobre o serial killer Charles Sobhraj (Tahar Rahim), que drogou e assassinou pelo menos uma dúzia de expatriados e viajantes na “trilha hippie” do Extremo Oriente em meados de 1970.

Em uma mudança de seus papéis mais saudáveis, Coleman seduziu os espectadores como a inescrutável noiva e cúmplice quebequense de Sobhraj, Marie-Andrée Leclerc. “A psicologia dela era tão fascinante”, diz Coleman. Leclerc morreu de câncer de ovário, com apenas 38 anos, em 1984. Mas ela deixou para trás diários que ajudaram Coleman a entendê-la.

“Charles se tornou o Deus dela. Ela se agarrou a ele com essa necessidade quase religiosa. Acho que ela estava voluntariamente sob o feitiço dele. Havia tanta intensidade na maneira como ela escrevia. Ela gostava de sentir aquela dor, gostava da autossabotagem e era viciada em ser tratada com crueldade.” Coleman ainda parece vagamente abalada pela série “misteriosa” de “incidentes e acidentes que afetaram as filmagens” de The Serpent, durante os quais, ela diz, “eu tive uma queda feia. Terminou com a equipe tailandesa indo aos templos para tentar nos livrar da ‘Maldição da Serpente’. Lembro-me de estar com Tahar no set, dizendo que já passamos por tudo isso agora, o que mais pode dar errado?

“Então veio a Covid e o fechamento das fronteiras internacionais…” No mês passado, Sobhraj foi libertado da prisão no Nepal, onde cumpriu uma sentença de 19 anos por seus crimes. Ele agora está ameaçando processar a BBC pela série “falsificada”. Como Coleman se sente sobre isso? Como a monitora-chefe sensata que ainda é, ela me diz que “sente muito pelo tédio”, mas “provavelmente é mais seguro” não comentar.

Desde que fez The Serpent, Coleman parou de assistir suas próprias apresentações. “Eu costumava rever as primeiras filmagens, para me ajudar a encontrar o tom certo. Talvez parte disso seja porque eu não frequentei a escola de teatro e senti que estava aprendendo no trabalho, me atualizando. O menos divertido de tudo”, diz ela, “foi me ver interpretando um personagem próximo ao meu eu, como em Doctor Who.”

Ela dá de ombros. Ela está atualmente em um relacionamento com Jamie Childs, que a dirigiu na recente adaptação da Netflix da aventura de fantasia de Neil Gaiman, The Sandman, mas me diz que não viu nada da série. “Há algo muito bom em deixar ir.”

No Natal, Coleman foi para casa em Blackpool e tirou as teias de aranha da adolescência. Ela ainda está perto de seus amigos de infância e não sente que sua fama mudou sua dinâmica. “Eu me ausento por longos períodos. Como neste verão, eu estive nos EUA e no Canadá por seis meses, filmando uma série chamada Wilderness sobre uma mulher tentando matar o marido durante as férias no Grand Canyon. Foi uma experiência intensa e provavelmente me mudou. Mas todos os meus amigos passaram por suas próprias experiências. Uma está morando na Costa Rica, outra se separou e voltou a namorar. Então, estamos sempre tendo que nos encontrar de novo.”

Em Lemons… Os personagens se perdem e se reencontram ao longo dos anos. “Tem sido tão interessante ver o fluxo e refluxo de um relacionamento de longo prazo destilado assim”, diz Coleman. “Lendo o roteiro, sempre me pergunto: de onde eles vieram? Isso levanta questões sobre o que eles escolhem dizer e não dizer: onde deixam silêncios e onde gastam palavras em mentiras.” Coleman termina seu café. “Os casais constroem sua própria linguagem ao longo do tempo. Forma abreviada. Mas ‘amocê’ significa o mesmo que ‘eu te amo’?”

O que Coleman pensa?

“Oh, acho que todos nós precisamos descobrir isso por nós mesmos!”

Jenna Coleman e Aidan Turner revelam detalhes sobre Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons
11.01.2023
postado por JCBR
Jenna Coleman e Aidan Turner passaram pelos estúdios da Virgin Radio no último sábado (7), para falar sobre Lemons Lemons Lemons Lemons Lemons. Durante o bate-papo com o Graham Norton, os atores revelaram detalhes da peça, como se conheceram e muito mais. Confira a entrevista completa legendada: