Arquivo de 'coco chanel'



Jenna Coleman fala sobre moda e como se prepara para seus papéis
07.11.2022
postado por JCBR
Em recente entrevista à revista francesa Numéro, Jenna Coleman fala sobre moda, as mudanças de sets e como se prepara para seus papéis. Clique nas miniaturas abaixo para ter acesso ao ensaio fotográfico e a entrevista original completa:

Jenna Coleman
Vista na mítica série Doctor Who, a atriz inglesa Jenna Coleman também impressiona ao lado de Tahar Rahim em The Serpent em 2021. Este ano, a encontramos na Netflix na fantástica série Sandman, adaptação da graphic novel homônima de Neil Gaiman. Um papel digno de seu talento magnético.

Mais do que qualquer outro país, o Reino Unido guarda o segredo da excelência dos atores e atrizes. O ano todo, as telas do mundo atestam isso, a ponto de Hollywood estar cheia de britânicos que forçam o sotaque americano a reinar sobre séries e blockbusters. Jenna Coleman faz parte dessa onda, embora muitas vezes permaneça elusiva. Este ano, ela interpretou uma detetive ocultista na prestigiosa série de fantasia Sandman, uma criação da lenda Neil Gaiman para a Netflix. Um desses novos tipos de objetos culturais, observados simultaneamente em todo o planeta.

Durante o ano de 2021, em pleno confinamento, ela interpretou a quebequense Marie-Andrée Leclerc dos anos 30, cúmplice de um serial killer interpretado por Tahar Rahim, em The Serpent, um dos sucessos desta primavera ímpar. “Ela era uma pessoa torturada e romântica, na qual trabalhamos em detalhes. Até na maneira como se vestia, ela escondia sua verdadeira natureza”. Com esse papel, Jenna Coleman ficou conhecida muito além de seu país natal, de uma forma ficcional ao mesmo tempo sedutora e voraz, e descobriu uma tendência a interpretar mulheres atormentadas. “Eu tenho lutado por um longo tempo com o papel da garota da porta ao lado e os papéis de namorada legal”, ela explica. “Finalmente, interpreto mulheres bravas que xingam muito! Eu pareço estar inclinada para a escuridão ultimamente (risos)”.

A jovem à nossa frente preferiria encontrar-se do lado da luz, mesmo que a vida que escolheu a leve aos limites do cansaço, à força de enfrentar os fusos horários do entretenimento globalizado. “Eu estava filmando no Arizona e, alguns dias depois, estou aqui em Paris para o desfile da Chanel. No momento, meu dia-a-dia é assim. Às vezes me questiono isso, mas gosto de incertezas, mudanças e viagens que meu trabalho implica, essa ideia de que você não sabe onde vai morar na semana seguinte. Acho que isso me deixa feliz. Eu sou uma daquelas pessoas estranhas que ama aeroportos e movimentação permanente”.

Jenna Coleman conhece essa existência no centro das atenções desde meados dos anos 2000. Ela tinha 19 anos quando os produtores da novela Emmerdale lhe ofereceram o papel de Jasmine Thomas, que deveria aparecer na tela por algumas semanas, mas cuja presença durou quatro anos. Era a hora de aperfeiçoar sua arte em um meio popular, muito respeitado na Inglaterra.

Ao contrário de muitos atores no Reino Unido, ela não frequentou uma grande escola de teatro como RADA ou LAMDA de Londres. Sem arrependimentos para aquela que começou a andar pelos palcos na adolescência, em peças criadas por uma companhia local de Blackpool, sua cidade natal no nordeste da Inglaterra. “Quando finalmente tive tempo para fazer os estudos importantes, já era um pouco tarde. Desisti porque teria perdido esse período do início dos meus 20 anos, frutífero para uma atriz. Então aprendi no trabalho, com atores e diretores com métodos diferentes. Basicamente, isso me convém: gosto de reagir ao outro”.

Ao observarmos sua atuação, atraente e precisa, só podemos dizer que a multiplicidade de abordagens forjou uma excelente atriz, que nunca se perde em uma visão fria e técnica de seus papéis.

Ela evoca a síndrome do impostor que pode tê-la acompanhado, como durante os ensaios no teatro Old Vic, em Londres, em 2019, quando sentiu uma falta de técnica que poderia prejudicá-la. Só que o complexo nunca dura muito, Jenna Coleman apodera-se dos seus papéis, trabalha-os, mistura-os até torná-los seus.

Seu momento favorito? A fase de preparação, onde ela está totalmente envolvida, principalmente quando interpreta uma figura histórica como a Rainha Victoria na série homônima, entre 2016 e 2019. “Conheço a época e os personagens, construo uma história observando muitos detalhes, mas o melhor é me livrar deles na hora de filmar. Então estou impregnada, mas me sinto livre para ir aonde eu quiser. Sem esse trabalho preliminar, eu não teria minha base e me sentiria muito perto de mim mesma”.

Paramos por um momento na última fórmula, que intriga a vida de uma atriz. Mestre Eckhart escreveu bem em seus famosos livros a seguinte fórmula, tão obscura quanto fascinante: “Observe-se e, sempre que se encontrar, deixe-se levar; não há nada melhor”. Não está claro se a britânica leu o pensador medieval alemão, mas sua visão de vida se assemelha ao seu ensino.

O auto-esquecimento como chave para um mecanismo de defesa, Jenna Coleman fala muito bem disso. “Quanto menos cerebral eu for, melhor minha atuação. O esforço que tenho que fazer é conseguir sair da minha cabeça, abandonar meu lado perfeccionista para me deixar ser direta por instinto. Você tem a sensação de pular de um penhasco sem controlar nada”. Tal método, a atriz aplica em todas as suas aparições, seja em seu novo filme independente Klokkenluider, uma comédia sobre delatores, ou a série que fez dela uma estrela, a lendária Doctor Who. Em meados dos anos 2010, ela foi revelada como a atriz mais alerta e esbelta de sua geração, e o showrunner Steven Moffat elogiou sua capacidade de dizer falas muito rapidamente e muito bem.

Uma qualidade que lembra a dos grandes nomes da comédia pastelão, cuja época de ouro foi a década de 1930. Um gênero que o cinema contemporâneo infelizmente parece ter negligenciado. “Seria ótimo refazer algumas dessas comédias como Bringing Up Baby, um dos meus filmes favoritos. Em relação ao Steven Moffat, o roteirista de Doctor Who, sua escrita é muito rítmica, e como eu bebo muito café, ajuda na velocidade! A comédia é muitas vezes baseada nisso, especialmente a comédia de humor ácido, que eu realmente gosto”.

Jenna Coleman admira filmes tão diferentes quanto 37º2 le matin, The Harvest of the Sky e Breaking the Waves. Nasceu com algumas décadas de atraso para se sentir em sintonia com a indústria da imagem contemporânea, muitas vezes altamente formatada?

O lamento não faz realmente parte de seu vocabulário. Ela pretende fazer crescer o que lhe é oferecido, como a série Wilderness, que acaba de filmar para a Amazon nos quatro cantos do continente americano, sob a direção de So Yong Kim. “Quatro meses de dias muito longos, mas foi emocionante!” confirma esta amiga da Maison Chanel.

“Ontem à noite tive o prazer de visitar o apartamento da Coco, e neste local podemos medir o quão sincero e profundo é o apego à cultura desta casa. A Chanel presta muita atenção às pessoas que somos. Ela está genuinamente interessada no que temos a dizer como atores e em nosso trabalho. Ela não está apenas tentando me vestir, mas identificar que tipo de mulher eu sou. O universo Chanel tem muita personalidade, sempre encontro algo forte e frágil, feminino e masculino. Graças a isso, você tem a sensação de que as peças nunca envelhecem”.