Arquivo de 'jenna coleman braisil'



Jenna Coleman revela os desafios enfrentados por cada papel que interpretou até hoje
05.08.2023
postado por JCBR
Jenna Coleman concedeu uma nova entrevista onde falou sobre os papéis que interpretou até hoje, refletiu sobre o que é perfeição e muito mais. A atriz também realizou um ensaio fotográfico pelas lentes de Johnny Carrano para a revista digital The Italian Rêve.

ENTREVISTA COM JENNA COLEMAN: UMA JORNADA SELVAGEM FODA

Em um dia quente de verão, sem falar na conexão Wi-Fi irritantemente ruim de Londres, uma conversa com Jenna Coleman para nossa reportagem de capa de agosto foi a melhor companhia e distração de uma série de ameaças de desmaio devido à minha pressão arterial baixa e à temperatura do ar em Milão. Quando fizemos o Zoom, ela queria saber de onde eu estava ligando para ela, ela queria saber como meus colegas estavam, ela estava curiosa sobre mim e sobre nós. Nesse ponto, quando Jenna mostrou interesse genuíno na parede branca raspada e nas folhas verdes em meu fundo, e revelou um vislumbre de sua sala de estar em sua casa, seu lugar feliz, percebi que ela é uma das pessoas mais pé no chão da indústria do entretenimento com quem conversei até agora. Talvez uma das mulheres mais pé no chão com quem conversei também.

Uma das minhas partes favoritas do nosso bate-papo foi quando discutimos a perfeição, a necessidade de ser perfeito a todo custo, de viver de acordo com padrões imaginários impostos por nossa sociedade que nos tornam fracos em nossa incapacidade de ser “assumidamente nós mesmos”. Como sua personagem no último projeto em que ela estrelou, a série de TV Wilderness, onde ela interpreta uma esposa vingativa e controladora vivendo em uma realidade constantemente elevada, onde ela precisa ser a contraparte feminina perfeita para seu parceiro dominante. Ou pelo menos ela pensou que precisava. Quando Jenna perguntou em voz alta: “O que é perfeição?”, descobri que não poderia responder a essa pergunta e, ao mesmo tempo, não me importava em saber, percebi que talvez as coisas estivessem realmente mudando, como ela disse, especialmente para mulheres e mulheres no cinema. Começando por mim, começando por ela e pela nova geração de atores e jovens em geral que nós duas admiramos.

Porque o fato é que só somos verdadeiramente corajosos e ousados quando nos mostramos em todas as nossas complexidades, e isso é um fato agora.

Qual é a sua primeira memória de cinema?

Minha primeira lembrança do cinema é My Girl com Macaulay Culkin: esse foi o primeiro filme que me fez sentir dominada pelas emoções enquanto assistia, tinha esse tipo de poder. Algumas outras lembranças estão relacionadas ao que assistíamos em minha casa, como West Side Story, Oliver, Black Beauty. Lembro que assistíamos a muitos musicais, na verdade. Além disso, De Volta para o Futuro e História Sem Fim, acho que assisti esse filme 50 vezes ou algo assim! [risos]

Doctor Who, Victoria, The Sandman, The Serpent e agora Wilderness, só para citar alguns dos projetos que você atuou até agora. Nem é preciso dizer que você tem interpretado um leque bastante variado de personagens, tanto no cinema quanto na TV, todos muito diferentes entre si: qual foi o papel mais desafiador que você interpretou até agora e em que termos tem sido desafiador para você?

O que descobri é que cada papel traz seus próprios desafios. Em Wilderness, por exemplo, minha personagem está em um estado elevado de imensa ansiedade e pressão, então manter isso ao longo dos três/quatro meses de filmagem, manter essa energia elevada foi um desafio. Achei que em Wilderness havia tanta intensidade porque todo o show é baseado em um mecanismo pelo qual você tem uma coisa ruim que acontece e depois fica cada vez pior. Manter Liv, minha personagem, naquele estado suspenso por tanto tempo foi incrivelmente desafiador.

Assim, papéis diferentes trazem desafios diferentes por motivos diferentes, mas de uma forma divertida. The Serpent foi incrivelmente desafiador porque eu não falava francês até três semanas antes de começar a filmar, e para mim, tudo deveria ser um processo de trabalhar com um ator francês em um idioma que eu não falo, e isso foi incrivelmente desafiador: tentar chegar ao nível em que você não estava apenas falando um idioma, mas tentando ter um sotaque em outro idioma, esse tipo de detalhe foi imensamente desafiador. Victoria porque você estava tentando adentrar na história, mas o fato é que a história apresenta uma versão e você obtém opiniões diferentes, por exemplo, as pessoas acham que a rainha Victoria é de uma certa maneira porque ela parece mal-humorada em seu retrato; então, o desafio disso foi tentar encontrar a verdade na essência do ser humano por trás de sua persona pública, mergulhando na história tendenciosa, por assim dizer. Doctor Who por causa da atuação com tela verde, provavelmente; The Cry porque não era fácil encontrar algo instintivo, que representasse a perda de um filho, por eu não ter filhos, senti esse tipo de pressão. De qualquer forma, o francês foi provavelmente a coisa mais difícil.

De fato, Wilderness, como você disse, é sobre coisas ruins acontecendo uma após a outra e tentar sobreviver em situações extremas. Além disso, em algum momento, uma série de acontecimentos leva sua personagem, Olivia, a se libertar da condenação de ser como a mãe dela e se vingar de seu relacionamento “errado” e tóxico com o marido. Como você conseguiu se conectar com ela? Você poderia de alguma forma desenvolver empatia por ela?

Sim, eu tive empatia por ela e a entendi e pensei que o que era tão interessante era que parecia uma “história de amadurecimento”. Ela é uma pessoa que não se conhece bem ou não se ouve, é co-dependente, insegura, vai se curvar ao que a sociedade espera dela, a vida que ela acha que deveria viver.

Para mim, ao longo dos seis episódios, tornou-se uma história muito primitiva dela recuperando sua voz, ela mesma e seus limites, e acho que, especialmente para minha geração, esses temas se tornaram muito comuns, formativos e primitivos. É uma espécie de história de “Mulher, me ouça rugir”, a jornada que ela segue, mas precisa ir às profundezas mais sombrias para poder sair do outro lado. Tudo isso foi muito bem feito no roteiro, mas obviamente o desafio, que é absolutamente doido sobre a série, é como você está pedindo ao público para simpatizar e ficar do lado de uma personagem que faz coisas que são moralmente erradas. É interessante tentar levar o público nessa jornada, e esse foi um dos maiores desafios para mim e a única maneira de fazer isso é tentar fazer o público entender isso: essa é uma das coisas mais difíceis da série.

Além do lado sombrio de tudo isso, descobri que Olivia é obcecada pela necessidade de ser perfeita, principalmente em seu casamento: a dona de casa perfeita, a cozinheira perfeita, a companheira de viagem perfeita, a amiga perfeita, a amante perfeita. Você acha que os movimentos femininos e sociais atuais estão mudando a representação das mulheres nos filmes?

Sim, eu realmente acho. Acho que as pessoas estão desinteressadas pela perfeição agora, eu acho que é chato.

Mesmo olhando para a geração de atores mais jovens, é tão revigorante, eu olho para atores como Florence Pugh, por exemplo, e isso honestamente me enche de muita confiança, de certa forma. O problema é que te dizem para ser ou você tenta ser de certa forma, e ser assumidamente você mesmo é a coisa mais ousada e corajosa que você pode fazer, assim como se mostrar, com suas vulnerabilidades, suas fraquezas, suas pontos fortes, todas essas complexidades. Acho que é nisso que as pessoas estão interessadas agora, as pessoas não querem ver alguém perfeitamente maquiado na tela. Se você pensa em Euphoria, por exemplo, você vê pele e manchas, e acho que as pessoas não querem vender esse velho fascínio de Hollywood o tempo todo. Acho que isso está realmente mudando.

Qual é a sua opinião pessoal sobre a necessidade feminina de perfeição?

Deus, o que é isso, o que é perfeição e quem fez essas regras? É interessante que eu venho de uma formação de dança, então quando eu era mais jovem, especialmente no início dos meus 20 anos, acho que um pouco disso, a necessidade de perfeição, estava em mim desde o treinamento de dança. Mas a verdade é que as pessoas só querem ver a pessoa real.

Qual é a coisa mais recente que você descobriu sobre si mesma através do seu trabalho? E o que você descobriu sobre si mesma enquanto interpretava Olivia?

Eu diria que passei por uma jornada semelhante nos últimos dois anos, exceto pelo assassinato ou tentativa de matar meu marido, é claro, essa não foi a minha história [risos]. Eu diria com certeza que agora sinto que meus contornos estão menos borrados, que entrei muito mais em mim mesma, se isso faz sentido, e sinto quase vergonha de dizer isso na idade que tenho agora, mas eu demorei muito tempo. Mais uma vez, vejo pessoas muito mais jovens do que eu, nesta indústria em particular, e fico muito admirada e maravilhada.

Você sabe, eu dei uma parada depois de The Serpent e comecei a interpretar esses papéis raivosos [risos], é interessante, olhando para trás. Eu fiz um filme chamado Klokkenluider que foi muito divertido, um verdadeiro distanciamento, onde eu interpreto uma jornalista realmente boca-suja que tem esses discursos incríveis, e isso foi muito divertido, assim como Sandman; com Liv, foi ótimo porque era tudo sobre a intensidade do tempo no set, e estar presente o tempo todo, seus instintos assumem o controle, de certa forma, e você não está tão consciente, seu fluxo criativo está acontecendo, e você está contemplando e deixando as outras coisas acontecerem e explorando como atriz. Com So e todos os outros diretores com quem trabalhei, foi ótimo e percebi que posso mergulhar, desde que faça a preparação e o trabalho. Foi uma parte incrivelmente emocionalmente desgastante, mas agora tenho confiança para me conhecer o suficiente, tenho a capacidade de mergulhar dentro e fora, sinto que sei que enquanto eu fizer o trabalho, o alcance emocional está todo lá e eu sei como acessá-lo muito melhor agora.

Falando em desafios e papéis desafiadores, qual foi o momento mais desafiador em sua carreira?

Quero dizer, Liv está em todas as cenas da série, só fui à Comic-Con por alguns dias, então tive três dias de folga em toda a série. Lembro que estávamos filmando essa parte em que ela vai para Las Vegas e cai em uma espécie de trauma psicodélico, ela é esvaziada de dentro para fora, crua, quebrada, quase à beira da loucura, e depois disso fomos para a Comic-Con, no meio de tudo, e isso me fez sentir como se eu fosse literalmente a personagem [risos]. A personagem é muito primitiva e muito visceral, há algo tão primitivo na jornada que Olivia faz, ela é como uma fênix nas cinzas. Ela é levada ao ponto da loucura, e há algo de shakespeariano e animalesco nisso: não é apenas uma dinâmica de gato e rato entre marido e mulher, nem a dinâmica psicológica, mas quando alguém é levado a tal ponto de sofrimento emocional, o lado animal surge e eu acho que ficar nesse estado durante os três/quatro meses de filmagem e a jornada que ela segue é selvagemente foda, basicamente. Foi divertido.

Qual é o papel que você ainda não fez, mas adoraria interpretar mais cedo ou mais tarde?

No momento, há esse tema comum de assassinos, não sei de onde vem, então eu diria que vamos acabar com o assassinato [risos]. Me ofereceram outro papel de assassina depois disso e tive que dizer não porque pensei: “O que está acontecendo?”. O que eu percebi é que minhas personagens em The Cry, The Serpent e Wilderness estiveram todas em um tipo de estado oculto muito emocionalmente contido, de certa forma; mas recentemente assisti To Leslie com Andrea Riseborough, que achei fenomenal, ou se penso em Victoria, elas são livres, emocionalmente, então definitivamente gostaria de interpretar algo emocionalmente mais volátil a seguir! [risos]

Seu maior ato de rebelião?

Honestamente, provavelmente encontrar uma maneira de dizer não às coisas.

Seu maior medo?

Não sou fã de aranhas [risos]. Mas meu maior medo é o tempo.

O que significa para você se sentir confortável em sua própria pele?

Significa não ser tímida, não se esconder, não ter medo de ser vista.

O livro na sua mesa de cabeceira.
Estou lendo Hot Milk de Deborah Levy e na minha mesa de cabeceira também tenho The Days of Abandonment de Elena Ferrante, eu a amo muito. Eu amo a série My Brilliant Friend, não assisti a última temporada, mas amo muito, e amo os livros também. Durante o lockdown, fui para Ischia e enquanto estava lá, me senti em um daqueles romances.

Qual é o seu lugar feliz?

Meu lugar feliz é em casa, com meu parceiro, com um livro, calma, com uma lareira.