JENNA COLEMAN ESTAMPA A CAPA DA EDIÇÃO DE ABRIL DA REVISTA HARPER’S BAZAAR UK
04.03.2019
postado por Thaíne
Ontem, 3, Jenna Coleman anunciou em sua conta do Instagram, que ela é a capa da edição de abril da revista Harper’s Bazaar UK. À noite, foi divulgado a entrevista e as fotos da sessão de fotos feitas no Kensington Palace.

A seguir, confira a tradução da entrevista, as capas disponibilizadas dessa edição, as fotos do photoshoot feitas pelo fotógrafo David Sjliper e o vídeo dos bastidores traduzido e legendado:

Ali parada nos aposentos da rainha Victoria no Kensington Palace, dois séculos depois que ela nasceu aqui, me sinto voltando no tempo. As janelas do chão ao teto ainda dão para os campos verdes e a água até onde a vista alcança; o papel de parede floral, embora não o original, foi escolhido pela rainha Mary para refleti-lo.

O mais estranho de tudo, neste mesmo edifício, um grupo de duques, duquesas e princesas, para não mencionar o príncipe William e sua jovem família, coexistem mais ou menos felizes no que certamente deve ser o bloco de apartamentos mais aristocrático do mundo. Uma mansão jacobina, originalmente estendida por Christopher Wren para William e Mary, está convenientemente localizada a poucos passos dos ônibus e butiques da Kensington High Street.

Essa foi, mais notoriamente, a casa de Diana, Princesa de Gales, tornando-se um local de peregrinação após seu acidente de carro fatal em 1997, com pessoas vindo de todo o mundo para adicionar suas homenagens ao mar de buquês empilhados diante de seus portões. (Posteriormente, seu apartamento foi despojado de seus móveis e deixado como uma concha por anos; não é de admirar que, quando o príncipe William decidiu fazer sua própria casa lá, ele escolheu os antigos apartamentos da princesa Margaret).

No momento, no entanto, minha atenção está voltada para a jovem que acaba de entrar na sala, escoltada por uma comitiva de guardas de segurança, cabeleireiros e damas de companhia. Ela é pequena como uma fada e delicadamente vestida com tecidos estampados compridos e diamantes cintilantes… Apenas o traço de Lancashire na voz baixa de Jenna Coleman dissipa a ilusão de que a monarca voltou pessoalmente para sua casa de infância.

São tempos difíceis para republicanos fervorosos, com The Crown e Victoria atraindo grandes audiências em todo o mundo. No caso de Victoria, o apelo da série se resume a uma combinação da representação sedutora de Coleman e o animado roteiro de Daisy Goodwin, que juntos reformularam de forma abrangente a imagem da rainha. Em vez de viúva severa e repressiva, cuja forma matrimonial é imortalizada em estátuas municipais em todo o seu antigo império, ficamos diante da presença de uma criatura jovem, bonita e deliciosamente impulsiva, cujas dificuldades de “ter tudo” – um trabalho que consome tudo, o tempo com sua família e um relacionamento significativo com um cônjuge cujo ego é ameaçado por seu status – parecem totalmente contemporâneos.

Essa interpretação atraente não é mera fantasia populista, embora com seus grandes olhos cor de avelã, sobrancelhas dramáticas e feições delicadas, Coleman seja muito mais bonita do que Victoria jamais fora. Ela é impressionantemente dedicada a retratar o papel da forma mais precisa possível, vai ao Kensington Palace “sempre que posso” e examina obsessivamente as biografias e os diários da rainha em busca de pistas sobre sua personalidade. Os desenhos da rainha Victoria são seus favoritos fonte de inspiração. “Você realmente sente que está vendo o mundo através de seus olhos. Todo o resto foi editado – até seus diários, que foram cortados por sua filha.”

Durante nossa sessão, Coleman pede para mostrar a rota exata que a princesa de 18 anos, vestindo seu roupão, saiu do quarto para a Galeria do Rei para ser formalmente notificada por Lord Conyngham e pelo arcebispo de Canterbury de sua ascensão ao trono. “Um dia, ela não é confiável para descer as escadas sozinha, no dia seguinte ela é a mulher mais poderosa do mundo”, ela se maravilha.

Sem dúvida, ajudou o realismo do desempenho da atriz de que ela é uma delicada de 1,57 de altura (embora ainda seja três centímetros mais alta do que Victoria) e, portanto, está acostumada a ser a adulta mais baixa da sala. “Daisy disse que foi por isso que eles me chamaram”, diz ela, rindo auto-depreciativamente. “Posso ter empatia com esse sentimento de ser mais difícil projetar poder. Para a primeira temporada, me colocaram vestidos e bonnets de cor creme – e eu odiava usar um bonnet! Eu me sentia muito jovem e menina. Então percebi que era exatamente assim que Victoria deve ter se sentido, cercada por homens de terno preto e tendo que liderar.

Então, qual é o segredo de projetar autoridade real? “O que eu aprendi sobre interpretar poder é que você não o faz”, ela diz, sabiamente. “Nós tivemos um assessor real por alguns dias, e ele não deu nenhuma anotação para mim. Ele apenas disse aos outros: ‘Você tem que imaginar que há uma aura em torno dessa pessoa.’ Suponho que essa é a única maneira de capturá-lo.”

Apesar de sua dedicação e todos os elogios da crítica, Coleman parece convencida de que Victoria não teria se divertido com sua interpretação. “Ela diria que tudo o que eu fiz estava errado, e eu receberia um papel cheio de anotações”, diz ela. A última vez que ela esteve no quarto de Victoria, filmando uma entrevista para a ITV News, ela menciona que “teve uma tontura engraçada” e acabou tendo que deitar com as pernas acima da cabeça para se recuperar, que ela brinca com o espírito desaprovador da rainha pedindo-lhe para ir embora.

A nova temporada começa em 1848, em uma época turbulenta para a Europa como a nossa. De fato, pode ser um consolo, como o tortuoso processo Brexit, se lembrar de uma época em que França, Alemanha, Áustria, Hungria, Itália, Dinamarca e Polônia foram abaladas por revoluções populares, e somente a Grã-Bretanha permaneceu relativamente estável. O medo, no entanto, era que o movimento Cartista da classe trabalhadora, que pedia reformas democráticas incluindo o sufrágio masculino universal (na época, apenas homens proprietários possuíam votos, e era 70 anos antes de qualquer mulher tivesse esse direito), provocaria violência política e revolta social semelhantes.

Nessa atmosfera febril, a chegada na Inglaterra do recém-deposto rei Luís Filipe da França, buscando refúgio no Buckingham Palace, foi vista como uma provocação perigosa pelos conselheiros de Victoria. “Eu li os diários dela a partir de sua perspectiva em vê-lo e pensando: “Uau, isso poderia ser eu.” Ela teve um pouco de crise de identidade”, diz Coleman. “Sua atitude sempre foi: esse é o meu caminho, essa é a minha vida, é nisso que nasci.” Aqui, em contraste, estava a prova de que o destino poderia ser derrubado.

Então, como agora, a popularidade da monarquia chegou ao auge e diminuiu, com um bebê real trazendo um impulso confiável para os índices de aprovação. Então, como agora também, houve escândalos sobre a invasão da imprensa à privacidade. No caso de Victoria, uma coleção de gravuras particulares, desenhadas por ela e pelo príncipe Albert mostrando a rainha no que ela temia ser um papel inadequadamente caseiro com seus filhos, foi adquirida por um repórter – outro episódio explorado na próxima temporada. “Ela estava mortificada e achava que isso prejudicaria a imagem que ela cultivava de uma pessoa a ser levada a sério”, diz Coleman.

Na verdade, o oposto era verdadeiro. Depois dos escândalos das épocas precedentes – o antecessor de Victoria, William IV, teve dez filhos ilegítimos com a atriz Dorothea Jordan –, foi visto como uma novidade ter um monarca que fosse um modelo exemplar de fidelidade excessiva. “A era vitoriana sendo puritana e recatada é a primeira coisa em que alguém pensa, mas na verdade era Albert. Ele veio de um lar desfeito, e era ele quem estava interessado na moral, e porque Victoria estava tão apaixonada por ele, ela estaria de acordo com ele – mas só até certo ponto”, diz Coleman, que descreve a rainha como “apaixonada e romântica”, e uma pessoa de mente aberta, surpreendentemente não-hierárquica.

“Ela sempre foi curiosa. Quando era mais nova, em uma de suas férias de verão, ela conheceu uma família de ciganos e os desenhou e ficou fascinada com a aparência deles e com a forma como era um grupo familiar; tinha sua amizade com Abdul Karim e com John Brown”, continua ela, referindo-se aos estreitos relacionamentos da rainha com dois de seus assistentes homens, que na época era algo escandaloso. “Ela não era esnobe; era muito humana e ansiava por qualquer coisa que realmente a tocasse.” A princesa do povo da sua época? “Eu acho que ela era, e muito a mãe da nação.”

Algumas semanas depois de nossa sessão, nos encontramos de novo, desta vez em um café da Sloane Square. Hoje, Coleman se parece com uma criatura totalmente diferente: cabelos desgrenhados e brilhantes, usando um conjunto de casaco de tweed Blazé Milano e um vestido da Simone Rocha. Ela acaba de descer de um vôo do México, onde vem fazendo uma pausa bem merecida, seguindo o cronograma intenso do ano passado, que envolveu as filmagens consecutivas de Victoria e o thriller tenso da BBC One, The Cry, no qual ela interpretou uma mãe lidando com o misterioso sequestro de seu bebê.

Constato que nunca vi Coleman com um bronzeado antes, já que uma pele de porcelana é naturalmente necessária para Victoria, e ela ostentava uma palidez cansada como Joanna, a protagonista deprimida de The Cry. “Eu me tornei mestre em trajes de banho com golas altas e mangas longas”, ela concorda. “Caso contrário, você tem que gastar meia hora extra na maquiagem sendo maquiada.” Claramente, há vantagens em livrar-se do espartilho, pelo menos temporariamente.

Abril vê Coleman transformar seus talentos em um papel muito diferente, enquanto ela sobe ao palco (apropriadamente, no Old Vic) para se apresentar ao lado de Sally Field e Bill Pullman no drama de Arthur Miller, All My Sons. Ela faz o papel coadjuvante de Ann Deever, uma jovem mulher escondendo uma verdade sombria sobre seu falecido noivo. “Eu peguei o papel por causa da nuance”, diz Coleman. “As coisas aparecem de uma certa maneira, mas por baixo, há política e dinâmica familiar e um jogo de provocação… Acho que é por isso que eu amo tanto drama de época – porque é sobre a humanidade versus convenções sociais, e abaixo da superfície existem todos esses segredos e mentiras”.

Será sua primeira vez no palco desde que apareceu no Edinburgh Fringe há 18 anos. “Estou com medo. Mas é o medo bom que você tem quando está animado com alguma coisa, e não tem certeza de que pode fazê-lo.” A inflexibilidade do horário noturno da apresentação não a assusta nem um pouco. “As pessoas continuam dizendo que é muito difícil, mas depois de fazer 14 horas por dia durante 10 meses diretos…”

Depois disso, Coleman planeja voar para Los Angeles na esperança de garantir novos papéis no cinema. “Eu adoraria fazer alguns trabalhos mais curtos e passar de uma época para outra.” Ela também gostaria de tentar escrever ou adaptar uma história mais pessoal, baseada em seu avô, que nasceu em Edimburgo, mas veio a Blackpool aos vinte anos para administrar uma barraca no calçadão – o que ele ainda faz até hoje.

A carreira de Coleman parece ter sido uma progressão contínua de sucessos, começando quando ela era uma adolescente com um papel de longa data na novela rústica Emmerdale, depois como companheira dos 11º e 12º Doutores da série Doctor Who, antes de embarcar em Victoria. E tirando que ela foi convidada para participar de uma audição em um biquíni – “então eu simplesmente não fui” – ela parece ter escapado da objetificação e depreciação destacadas pela campanha #MeToo. “Eu nunca tive essa experiência”, diz ela.

“Mas eu adoro o fato de que há esse sentimento de irmandade agora, e as pessoas estão falando, parece muito mais um fórum aberto. Daisy Goodwin em Victoria e Claire Mundell em The Cry têm sido incríveis, figuras de apoio em minha vida. E desde o seu primeiro dia [como o Doutor], Peter Capaldi me fez sentir completamente igual – ele é um homem tão incrível. Eu me senti tão incentivada por ele.”

Sua carga de trabalho deixaria Coleman com pouco tempo para conduzir uma vida pessoal, não fosse pelo fato de que, felizmente e por acaso, seu parceiro de longa data é o belo Tom Hughes, que interpreta o príncipe Albert, para que eles possam gastar muito tempo juntos no set.

Até agora, o relacionamento deles foi conduzido com uma positiva discrição vitoriana; eles nunca falam um sobre o outro, e quando pergunto a Coleman se ela está noiva, ela simplesmente acena seus dedos sem anel para mim em resposta. (Na semana seguinte, encontro os dois na abertura de gala da exposição Dior, e tenho a experiência um pouco surreal de falar com Victoria e Albert no [museu] Victoria and Albert. Não posso deixar de dizer que eles educadamente, mas com firmeza, recusam ser fotografados juntos… “Acho que foi muito sábio não falar sobre isso”, diz Coleman.)

Enquanto isso, ela se mudou para uma nova casa em Islington, e está se divertindo em fazer isso. “Eu sou muito caseira”, diz ela. “Eu gosto de estampa, texturas e veludos. Livros me fazem sentir aterrada. E simplesmente sair pela porta para tomar um café da manhã – o luxo do tempo livre.

“Adoro ter contato com a vida normal. Eu trabalhei nisso no ano passado, eu literalmente passei mais tempo nas roupas de outras pessoas do que nas minhas, mas você tem que cuidar da sua própria vida também, então você pode vir trabalhar e trazer algum senso de realidade para isso”.

Tendo usado várias barrigas de grávida falsa de tamanhos diferentes, gritou em várias cenas de trabalho de parto e interpretou devastadoramente a exaustão e solidão da nova maternidade nos últimos meses, ela está compreensivelmente sem pressa para experimentá-la fora da tela.

“Isso provavelmente abriu minha mente para as realidades”, diz ela. “Metade dos meus amigos tem bebês, e metade não tem, então não parece uma pressão. Quero ir com calma. Há muito mais do mundo para eu ver antes. Eu adoraria ter filhos um dia, mas não nove deles”, conclui ela, com um sorriso claramente não real. “Eu posso te dizer isso como um fato.”